SPFW SS 2012/2013 | Terceiro dia – Adriana Degreas

Gente, que prazer! Que desfile mais muso pra se ver, hein? Que isso…

MUITO LUXO define Adriana Degreas!

Adorei a modelagem das roupas de banho, das saídas. Adorei os tecidos, as cores, a trilha sonora forte ora exalando o charme e a brasilidade das nossas mulheres sob o sol, ora glamurizando sua performance diva nos salões.

Adorei a inspiração na Bahia que trouxe o romantismo dos babados para as calcinhas de biquíni, a riqueza do trabalho manual para o crochê e para as rendas, a elegância e discrição (quem disse que Bahia é só o carnaval e o povo arregalado?!) para calcinha dos biquinis (mais comportadas) e caleçons, e o misticismo presente nas transparência-tendência (que ora mostram e ora requerem a fé), que fugiu de toda obviedade do verão.

Adorei o vestido decote canoa e, principalmente, ADOREI a entrada final das modelos em batalhão surgindo de uma parede de voil com fundo dourado bem como um desfile de cor do sol!

Maravilhoso!!!

SPFW SS 2012/2013 | Primeiro dia – Fause Haten

Apesar da crítica desfavorável publicada no Chic, Fause Haten foi um dos meus preferidos no primeiro dia da semana de moda de São Paulo.

A começar pela trilha sonora. Foi impactante ver Paula Lima e seu vozeirão, acompanhada por um belo piano, imprimindo todo o drama necessário ao desfile marcado pela feminilidade e pelo luxo de bordados extremamente bem estruturados.

Juro que me arrepiou toda esta obra dando as boas vindas a este primeiro look:

Me emocionei como nunca, em quase sete anos acompanhando semanas de moda, ao ver uma modelo negra, ornada de um cabelão black power, surgir toda trabalhada no PODER de uma capa de tafetá amarelo, um vestido justo chique e divertido ao mesmo tempo, com um belo decote, ostentando um colar TODO superlativo (maxi, power, statement necklace).

Quando vi esse vestido surgir na passarela, tive vontade de chorar! Que tecido lindo, que estampa perfeita, que caimento, que fluidez, que coisa mais deusa, ninfa! Ombros de fora complementam a sensualidade despretensiosa da mulher que sabe o seu lugar e o poder que tem. E não precisa de muito mais do que uma bela roupa e sua personalidade para brilhar.

Transparências e fendas pra lá de elegantes também deram o ar da graça para coroar belas rainhas que não precisam de um pingo de exibicionismo para se fazerem notadas. Sua presença é quase etérea.

Para dar o tom da fantasia, curtos e longos em transparências reveladoras fizeram-se presentes com corpetes estruturados sobre rendas e bordados sobre maiô de tafetá.

E para o gran finale, não poderia faltar dois pretos longos: o primeiro todo em renda e o segundo todo bordado com uma fantástica capa branca dando o tom do contraste.

Em tempos de “pegadas esportivas” invadindo o mundo fashion feito uma virose, digo que o desfile de Fause Haten foi uma lufada de inspiração, sonhos e elegância numa terra dominada por uma moda massificada.